terça-feira, dezembro 25, 2012

RSVP?



















Você tem 365 dias no ano, de tudo isso, sete são destinados a médicos e outras urgências, trabalha cinco dias por semana e viaja dois ou três feriados no ano. O restante - mais de 200 dias! - é tomado por convites incríveis e insanos. A festa mais desejada acontece numa segunda-feira? Quem se importa de dormir apenas duas horas? Coquetéis, lançamentos e outras frescuras já tiveram seu auge e hoje não há quem vá a esses encontros porque quer, e sim porque conhece alguém e precisa dar aquele abraço na amiga que organizou. Todos fazem isso em São Paulo, em Nova York, Milão. Só chegou a hora de parar de nos sentirmos culpados por ter essa atitude educada. Não deu para ir, ok. Daqui seis (três? quatro?) meses outra coleção será lançada, com coquetel ou desfile. É sempre uma surpresa, mas a certeza que temos é que vai acontecer.
Se você mora longe da sua família, é claro que ela fica em segundo, terceiro, quarto lugar, porque você está sempre em um jantar incrível com amigos, ou almoçando com pessoas que nem conhece direito, ou ainda, resolveu fazer aquele chill out com rostos que acabou de conhecer. É certo que não podemos estar em todos os lugares ao mesmo tempo, e que não podemos nos incluir em nenhuma "turma nova" por conhecer apenas um integrante desse clã. Em 2012 aprendi a valorizar minha família e os amigos mais próximos, aqueles que você pode ligar e chorar a hora que quiser, ou apenas encontrar para fumar um cigarro. Os outros, que fique claro, estarão na turma deles, acolhendo os amigos deles e ponto. Falou no dia anterior e a pessoa em questão disse que iria viajar aí no dia seguinte vê fotos dela com outros rostinhos conhecidos numa festa prive? É o mais comum, vá se acostumando - não dá para estar em todos os lugares, nem em todas as festas. Encare numa boa, outros lugares reservam surpresas bem melhores.
Não há razão para escrever esse texto, talvez porque seja 6 horas da manhã do dia 25 de dezembro e comecei a refletir sobre o que fiz (muita coisa) e deixei outras tantas para trás - talvez porque cansei, ou porque deixaram de ser interessantes assim como os coquetéis da vida. Tudo ao nosso redor existe uma seleção, uma ordem, regra. E cabe a nós criarmos a nossa. Saio sete dias por semana, vou a lugares que nem imaginava que existiam e durmo 24 horas em uma semana inteira. Fiz amigos, conheci gente, comprei mil coisas, engordei, fiquei doente, a água mineral acabou e estava mal para descer e comprar na padaria. Ninguém me ajudou ou fez questão de mandar um SMS para saber se eu estava vivo. O delivery funcionou lindamente e no dia seguinte estava de pé, como todos os outros, atrás de um taxi para ir trabalhar. Se você não tiver forças, não irá a lugar algum...
2012 foi um ano de experiências intrigantes, novas e divertidas, que serviram de lição para o dia em que perdi minha chave, esqueci meu celular dentro de um taxi e no dia seguinte a minha carteira - com todos os cartões, dinheiro e documentos. Peguei um taxi "emprestado" para depositar o valor no dia seguinte, ou o quanto antes para o taxista, e precisei me virar para recuperar a agenda telefônica e tudo mais. Dormi sentado do lado de fora do meu apartamento porque não conseguia ficar em pé, nem com os olhos abertos e foi a única maneira de esperar o chaveiro express que demorou duas horas para chegar. Enquanto isso as pessoas com quem me divertia 30 minutos atrás já estavam dormindo e nem por decreto te ajudariam de alguma forma. Faça o teste com os novos conhecidos para comprovar!
O que quero para 2013? Mais festas, muito mais. E viagens também. E uma seleção natural do que é bom ou ruim, do que é certo ou errado, de quem é seu amigo ou não, do coquetel que vale a pena ou do cocktail miado... Minha mãe sempre diz para olhar apenas para frente e nunca para trás, e sempre retruquei dizendo que não dá só para olhar para frente porque quero ver o que fiz e conquistei, e ela diz: "No futuro tudo o que você fez estará na sua frente. Ou você verá, ou outras pessoas te mostrarão". Acredito nela.
Faça RSVP no que importa, e se algum dia você não estiver em algum lugar por não foi convidado, lembre-se: não dá para estar em todos os lugares ao mesmo tempo, e reflita um pouco mais, perguntando a você mesmo se aquilo vale a pena. Analise as fotos do Instagram alheio, a resposta estará lá.
PS: nunca saia de casa sem cartões de visita (com endereço e telefone), celular recarregado, RG, carteira e cigarro.
PS2: se sua portaria for de confiança, deixar uma chave extra por lá nunca é demais.
Matheus Evangelista