segunda-feira, setembro 14, 2015

Amores artificiais, sentimentos abstratos


Amores artificiais, sentimentos abstratos

A forma como nos relacionamos mudou, velocidade máxima, mudanças bruscas- estamos nos acostumando, mas ao longo do caminho ainda nos surpreendemos com o que encontramos pela frente. Aplicativos de paquera são uma mão na roda para quem quer deixar o singular e embarcar no plural. Mas será que o fim da solteirice está além de um download? Só o que vejo ao meu redor é frustração - eu mesmo embarquei diversas vezes, com fotos bonitinhas e descrições ordinárias. O resultado é sempre o mesmo: nada.

Mas se a finalidade é encontrar alguém e sair dali, qual é o problema afinal? As pessoas não sabem o que querem- umas sabem, outras não. Não podemos generalizar... Sexo? Algo além disso? Namoro? Uma amizade colorida? O fato em torno dessas escolhas ultrapassa toda essa decisão e o que deveria ser uma simples transa se transforma numa vida. Não dá para planejar, muito menos tentar traçar o sentimento alheio, e o seu próprio. Pessoas carregam possibilidade, pessoas surpreendem, pessoas frustram. Para o bem e para o mal, é com alguém de carne e osso que você vai marcar algo por aí. 

O que incomoda muita gente é exatamente essa presunção de que se está alheio ao gostar e o que você quer pode ser concluído e finalizado ali mesmo. Muitas vezes esquecemos o outro lado, é uma pessoa não é um objeto. Não adianta pirar. 

Temos que nos acostumar a viver de acordo com as regras atuais do jogo- não há mais tempo a perder com ilusões, questões banais, sonhos e imaginação. A palavra de ordem é a praticidade. Mas como entregar ao outro o que ele espera se você não faz ideia do que possa ser? O “x” da questão é exatamente esse, não há mais dicas ou tempo suficiente para que as senhas sejam decodificadas e os sinais lidos, como dois mais dois são quatro, o mundo atual espera que você saiba todos os resultados antes mesmo da equação ser proposta.
Vale enrolar um pouco, ninguém sabe de cara o que vem pela frente, mas é na hora H que a velocidade aumenta e só acompanha quem seguiu à risca a nova cartilha do romance. E o mais importante? Cada um tem um ritmo, cada um funciona e trabalha de uma maneira. Fluir, nesse contexto, é a melhor dica. Acredite no poder do less is more. Faz diferença...
O importante é não ter pressa, nem medo. Pode até ser desanimador essas tentativas infinitas, mas alguma coisa se aprende e do “mais do mesmo” vai aparecer exatamente o que você procurava. E se essa enxurrada de Apps não for mesmo para você, então se joga na festa e esteja preparado(a) pro flerte. À Moda Antiga também é legal!