sexta-feira, setembro 11, 2015

27



Escutando a música there’s a light that never goes out, no repeat, na voz de Joseph Arthur - minha versão preferida -, penso em como tudo exige calma. Falta quase um mês para meu aniversário de 27 anos, e como é bom ter chego até aqui passando por tudo que passei. As coisas que vi, os lugares que visitei, as pessoas que passaram pela minha vida, as que ficaram por aqui mesmo e como evolui como homem. Não olho para trás, não gosto dessa sensação, mas recordo com carinho toda e qualquer conquista que me deixou mais forte para o que enfrento hoje e enfrentarei amanhã. Deixei manias para trás, hoje me encanto com coisas que não fariam sentido nenhum se não tivesse tido experiências que só fizeram sentido para mim. Aprendi a sorrir para o nada, ouvir com atenção e apreciar pessoas, coisas, lugares com um olhar que é tão particular que gostaria de poder dividir. Esse texto não tem começo, meio, nem fim. É um desabafo, um respiro. 
Me peguei pensando no que quero agora, no que me motiva a seguir em frente. Pessoas me motivam. Talvez eu não seja libriano gratuitamente. Como é bom ser libriano (de vez em quando...). Não vou fazer 30 anos, não é o fim do  mundo e não estou reclamando. Tem tanto chão pela frente que quero mais é aproveitar. Ando com a cabeça cheia, me falta inspiração. Faz mais de um ano que não escrevo aqui, por falta de tempo, falta de criatividade, falta de vontade. O nome não me agrada, o layout é nada, o acesso não existe. Mas isso é meu espaço e preciso de algum lugar para me expressar, contar, dividir. Não é o caso de hoje. Hoje é um daqueles dias de vontades plenas, curiosidades absurdas, desejos incontroláveis. Um dia para lembrar que o óbvio não me agrada, que o mesmo ficou para trás e que há muita energia para queimar antes de se contentar com o óbvio, o comum. Foram pessoas, situações, sorrisos e  cumplicidade que me trouxeram até aqui. Uma segurança tão absurda que até quem não me conhece percebe. 
Antes dos 27 - e depois também! - tem mais do mesmo, mais festas, mais beijos, mais viagens, mais gritos, mais selfies. E eu nunca estive tão preparado para que tudo isso caia no repeat...